Mate argentino: muito mais do que uma bebida, um evento social!

O que fazer pra começar o dia com energia, ânimo e ficar um pouco menos sonolento no trabalho/aula? O que fazer quando você quer dar uma pausa nos estudos, no trabalho estressante e bater um papo com o pessoal? Bem se você está no Brasil, certamente deve ter pensado no café. Pois bem, aqui a resposta para todas essas perguntas, é o mate.

Foto: Pinterest

Um pouquinho da história:

Se denomina mate a a infusão preparada com folhas de erva mate (Ilex paraguaiensis), planta originaria da bacia dos rios Paraná, Paraguai e Uruguai. Estas plantas previamente secas, cortadas e moídas formam a erva mate, que tem sabor amargo devido aos  taninos de suas folhas. 

Era consumido desde a época pré-colombiana entre povos indígenas Guarani e foi adotado rapidamente pelos colonizadores espanhóis, ficando assim como parte do acervo cultural na Argentina, Bolívia, Paraguai, Uruguai, sul do Brasil e do Chile.

O mate possui um efeito estimulante devido a mateína (sinônimo da cafeína) que contém. Também é uma infusão digestiva e depuradora (possui anti oxidantes).

Tradicionalmente se bebe quente com um canudo (chamado bombilla) colocado em um pequeno recipiente, que é denominado mate, que contem a infusão.

Segundo pesquisas do Instituto da Erva Mate (Instituto de la Yerba Mate) a infusão está presente em 98% das casas do país. Em 2013 se estimou que o consumo anual pelos argentinos é de 240.000 toneladas de erva mate!

Além da versão quente há a versão com água fria e nesse caso é chamado Tereré.

A questão é que o mate é mais do que uma bebida é uma verdadeira confraternização. A hora do mate serve para relaxar, conversar com o pessoal do trabalho, dar uma pausa entre intervalos de aula, levar para o parque nos fins de semana para fazer uma espécie de picnic, até gente passeando com o cachorro e tomando mate ao mesmo tempo nós já vimos!

Foto: Aldo Sessa via Pinterest

Meu avô é gaúcho e sempre tomou o seu chimarrão. Sempre achei bacana, mas nunca consegui. Chegando na Argentina, fui contagiada pela arte do “matear” e aos poucos incorporamos na nossa rotina. Sim, o gosto é bem amargo mas aprendi com o pessoal do trabalho que é permitido colocar um pouquinho de açúcar ou adoçante. Fica bem mais fácil e agradável de beber. E com o tempo você se acostuma e hoje em dia já bebo sem açúcar mesmo.

Como prepará-lo? Difícil explicar, é mais fácil de aprender quando vemos alguém fazendo. Mas para tentar ilustrar, uma imagem que encontrei:

Fonte: Pinterest

Das marcas que provamos, as preferidas foram Cruz de Malta, Rosamonte (suave, pacote amarelo) e CBSé. Tanto a Cruz de Malta quanto a CBSé possuem a linha saborizada, de limão e laranja. Pra quem está começando a experimentar o mate indicamos que comecem pelos saborizados porque são mais suaves.

Collage Mate

Por último, algumas considerações: há uma etiqueta na hora de tomar o mate. Ninguém ensina, já está meio que implícito, então fique de olho:

* Quem faz o mate tem o direito a tomar primeiro: Isso dizem que é porque daí você confere a temperatura da água, toma prováveis pós mais finos da erva, enfim, seria o controle de qualidade…

* Há toda uma organização: tem que seguir um ciclo, nada de tomar duas vezes seguido. Quando se termina de tomar, sempre rola a pergunta “A quien toca?” (de quem é a vez?).

* Em casos de gripe/resfriado recuse: isso por uma questão de saúde já que a bombilla é a mesma pra todo mundo. Nada de ficar disseminando seu resfriado através do mate, ok?

Buen provecho!

Anúncios