O post que nunca quis escrever

O post de hoje provavelmente é o mais difícil que já escrevi. Não se trata de uma loja nova, nenhum restaurante ou café fofo, nenhum passeio, nenhuma curiosidade da cultura local. É um post que venho adiado há algum tempo, por falta de coragem, por falta de vontade e por não saber bem como me expressar. Aquela coisa do “quando a gente conta vira realidade”, sabe?

Pois bem: não moramos mais em Buenos Aires. Nos mudamos para lá com um prazo de validade de 4 anos. Esse era o tempo exato para o encerramento de vários ciclos: fim de um doutorado, fim do colégio e fim da pós. Tudo assim, redondinho. Nos planos era tudo redondinho, tudo muito bem cronometrado. Mas quando passa para a vida real, o cronometrado dói.

Já disse várias vezes por aqui, em vários posts, que nos mudarmos para Buenos Aires foi um desafio em família: nova cultura, nova língua e sem conhecer absolutamente ninguém. Com a cara e a coragem mesmo.

Como todo relacionamento amoroso, tivemos nossas fases:

* a da empolgação por conhecer, aprender e se deslumbrar com o desconhecido. Aquele friozinho na barriga que faz o coração palpitar.

Duas paixões:esse céu e os jacarandás 😍 #bsas #buenosaires #jacaranda #spring #primavera #igersbsas

A post shared by Pindalolas (@pindalolas) on

* das dificuldades onde você tem que bater de frente com a cultura do outro, vocês se desentendem, dá vontade de largar tudo, acha que um não foi feito para o outro.

E em um piscar de olhos, elas ficam assim…#bsas #buenosaires #igersbsas #barrionorte

A post shared by Pindalolas (@pindalolas) on

* a do amor pleno e puro, onde você entende as limitações do outro, entende as diferenças do outro, entende que tem seus defeitos mas mesmo assim o ama.

Fim de tarde em Palermo #bsas #buenosaires #palermo #pordosol #sunset #igersbsas

A post shared by Pindalolas (@pindalolas) on

Esse último ano foi maravilhoso (exceto a parte da Copa, mas aí já é pedir demais, né?). Um ano de maturidade mesmo. Curtimos cada minuto, cada evento, cada acontecimento, dos mais importantes até os mais simples. A sensação era de andar com aquela cara de deslumbramento ao caminhar pela praça, aquela felicidade em ver a primavera, até comprar sorvete tinha outra atmosfera. Tudo tinha um gostinho de despedida (meio amarga como um belo mate argentino). A verdade é que Buenos Aires nos ganhou, de coração e alma.

Nem tudo foi sempre maravilhoso, claro que enfrentamos grandes problemas, sempre éramos os estrangeiros. A saudade da família e dos amigos pesava muito. E isso pesou na decisão de não continuar por lá (no meu caso, já que era a única que poderia decidir seguir por aquelas bandas). Viver fora é uma luta constante entre uma experiência incrível e a saudade da terra. Amigas casando, tendo filhos, pessoas indo embora. Muitos acontecimentos no Brasil nos quais doía não poder estar presente. “Mas Buenos Aires e o Rio são muito perto” vocês podem me dizer. Mas infelizmente o ato de ir e vir a qualquer momento inclui uma logística enorme e ainda não fizeram dinheiro nascer em árvore, não é mesmo? :/

Mas o amor por Buenos Aires permanece, inabalável. Esse blog é minha grande paixão, pensei em encerrá-lo, mas os queridos Marco e Quéle, do Buenos Aires Dreams, me convenceram de que é possível manter um blog a distância. Ainda tenho muito para contar sobre BsAs, algumas dicas ainda não compartilhadas e muitos lugares por conhecer (vou para lá todas as vezes que forem possíveis, tenham certeza disso!). A frequência das atualizações vai diminuir um pouco, mas sempre voltarei aqui. Mas como o bichinho da blogagem me picou (e já comentei no Facebook e no Instagram) tenho um novo projeto, o “Cariocando en Rio“. O nome é uma mistura português-espanhol porque a ideia é justamente essa: mostrar o Rio de Janeiro, seus lugares e cultura, nos dois idiomas para que tanto nós brasileiros como os hermanos hablantes (argentinos, chilenos, uruguaios, espanhóis…) possam aproveitar a cidade maravilhosa de outra maneira, fora dos roteiros tão usuais, mesclando um pouco do tradicional com novos achados.

 

Espero que todos vocês sigam nos acompanhando, que a gente não perca o contato, depois dessa linda jornada de 4 anos. O carinho de vocês, comentários, visitas diárias ao Pindalolas foi muito importante durante todos esses anos. Espero que possamos seguir juntos pra que dessa forma vocês possam nos ajudar nessa reabilitação a vida brasileira. Porque lhes digo: não é fácil! Amo muito meu país. Mas parece que falta um pedaço, sabe? Nos acostumamos com essa vida dupla. Antes sentíamos muita falta de diversas coisas do Brasil e agora acontece o mesmo com a Argentina. O coração está dividido, é metade verde amarelo e metade azul e celeste (menos no futebol! 😉 ). Tem dias que dá um aperto, uma vontade de se teletransportar. Mas dizem que isso é normal, é questão de tempo. Mas por enquanto a sensação é a de não pertencer a nenhum lugar, de se sentir incompleto.

Mas fica uma certeza: Buenos Aires, mi amor, nossa história não terminou! Nosso relacionamento será a distância, você sempre terá um lugar super reservado e garantido nos nossos corações (e na pele!) e sabemos que sempre que precisarmos, você estará de braços abertos para nos receber, como nosso segundo país, nossa segunda casa.

E nós, continuamos juntos? Diz que sim, vai? 😉

(semana que vem tem post novo por aqui, hein!?)

Anúncios